terça-feira, 30 de novembro de 2010

sentimento de perda.

constatar constante crescimento
questionar qual é o envolvimento
cada movimento
descaracterizei o sentimento

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

roubaram meu eu

permiti que me roubassem
agi de um jeito que não prestava
movi pequeno
não fugi
a culpa é toda minha
eu perdi

para não perder meu momento

pessoa
peçonhenta
permuta violenta
peruca
passa-tempo
preliminares
cata-vento

o que sobra de mim

algo de manhã
algoz de mim
algo para nós
algo para ti
o quarto proporcionava uma atmosfera de invasão
todos da rua se enxergavam
todos da rua se escutavam
suas aventuras
seus medos
suas angústias
brilhavam
espelhavam
refletiam
um novo dia
novos vícios
novos nomes
novas carícias
outros rios
outras rimas
mais queridos
muitos resquícios
várias sobras
nosso lixo

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

cartas abertas

como tem passado?
se não tem futuro.
quer milagre?
plante e colha os frutos.
me diz as horas
me deixa seguro no escuro
me lambe meia noite e meia
me deixa comer tudo
.
.
.
mentimos um para o outro
mentimos para nós mesmos
mentimos
meninos
meus mimos
mínimos e íntimos.
.
.
.
me leva pro sol pro cheiro de mofo sair
use o anzol se o peixinho for fugir
sacode o lençol
se esquenta em mim
mande um sinal
que vou seguir.

domingo, 18 de julho de 2010

Eu não estou cabendo em mim.

Avesso
travesso
travesseiro
travestir
trakinas
trapaça
tropecei
Transcendi

uma verdadeira jibóia, anaconda, sucuri...

eu me cobro,
tu se cobra,
nós nos cobramos,
eles,
cobra-se caro pra perdoar,
barato pra se enganar.
até trocarmos de pele
e não precisar se cobrar.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

sempre inconsequente
sua casca de barata
seus movimentos de serpente
seus pensamentos de ameba
seu instinto verminoso
com sua voz irritante
berreco feito marreco
com seu jeito deselegante
por baixo para cima
para sempre para brisa
para quedas para raio
para tudo e paralisa
para fuso para lamas
para o fluxo para as damas
para mim e não para você
por mim e não por você
seja breve, mas não serve!
se revele, se entregue.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

O que era meio se completou com a certeza que já era cheio de si e sobrava muito mais para somar, multiplicar e dividir.

domingo, 23 de maio de 2010

O tamanho da canoa determina a quantidade de paus.

domingo, 16 de maio de 2010

Uma boca e dois ouvidos.

Ouvir o que quer
Dizer o que não quer
Dizer o que houve
Ouvir o que diz

sábado, 8 de maio de 2010

Um ponto (Dois Pontos)

De partida .
De exclamação para gritar .
De vista .
Para somar e outro para subtrair .
De interrogação para questionar .
De ENCONTRO e
de equilíbrio
para se alcançar.
Um ponto de fuga , um ponto cardeal .
O ponto "G" e o ponto final .

terça-feira, 27 de abril de 2010

Me empresta um guarda-chuva?

Caiam sobre mim todas as fichas.
Para que assim tenha com o que apostar.
A existência é um jogo que ninguém sabe as regras.
Tantas peças que se encaixam,
que fica difícil saber por onde começar.

Releia

Acordei sem saber onde estava,
esqueci tudo o que sonhava.
Nem questionei porque
outros passos eu caminhava,
andava por aí feito alma penada.
e nessa eu dancei...
E minha rebeldia é porque confesso
que sempre foi você quem deu as cartas.
Eu só lia.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Opostos que se atraem.

Por sermos tão diferentes era para aprendermos um com o outro. Um motivo perfeito para unir duas pessoas, para aprenderem com as diferenças. Mas nem sempre a forma de amar é a mesma. Nem sempre o objetivo dos dois é o mesmo. Uma pena descobrir que o que une ser humanos são objetivos e não sentimentos.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

O colecionador de verdades.

Foto não tem título, tem comentário.
Tiro não faz curva.
Pessoas não mentem, recriam realidade.
Hipocrisia é um estado de espírito.
Não existe amor sem liberdade.
Já fui abduzido e resgatado.

sábado, 20 de março de 2010

Além de um ou outro fator, deve haver uma forma de resolver esses problemas.

Sentado com requinte requentado, ainda quente mas amargo. Mergulhado em mil marés, mudo as escolhas de boca fechada. Me pergunto se sou meu ou se sou apenas um ser sem querer ser o que pode ser. Fechado pra reforma em construção de um novo infinito, com bailarinas, feitiços de amor alucinantes, muitas cores com suas sombras bem resolvidas.O tempo agora é amigo e contei tudo pro meu umbigo. Ele me ajudou a pensar num jeito de escolher a data e a decoração certa pra festa do Encerramento das Dúvidas que já não estavam contribuindo com o quadro que se aprecia. Em momentos parece tudo simples e em outros escrevo poesias sentado com re...

OlhOs que te querò.Ólhos.

Quantas vezes você se olha no espelho?
Quantos espelhos você vê?
Somos um espelho do outro,
um monte de reflexos sendo por ser.
Refletir pessoas o tempo inteiro.
Querendo ou não vai ter que dar o braço a torcer.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Onipotente


Me separei de mim e vi que nada podia, tudo parecia tão distante.Fechei os olhos e abri repetindo essa mesma ordem noite após dia.Tentei fazer tudo certo sem medo de ser o que não queria.Pelo menos era o que eu achava, o certo era certo por pura ironia.Nunca parecia errado mesmo quando era.Dava um peso no peito. Cada centavo, cada esquina, cada pílula.Acendia o fogo pra uma sereia enquanto ela se satisfazia.Metia os dedos nela com vontade de ser o herói com quem ela gozaria.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Suas pernas.

As suas.
Sim,
por favor,
as duas,
por dias,
só minhas.

Egocêntrico.


Sinto tudo muito,
sinto muito por tudo.
Diz pro onipresente
para ele ir embora,
e diz pro onisciente
que ele está enganado,
não sabe de nada.

Só para entrar em contato...

Há necessidade de entrar em
contato.
Para não perder a graça,
não fazer graça demais.
Há necessidade de falar sério.
Por mim eu ficava lá.
Se pudéssemos dormir à luz da
lua.
Beijos intermináveis, insaciáveis.
Muito sono, pouca vontade de
dormir.
Há química.
Ah, acabei de lembrar de um sonho bom
que tive de ontem pra hoje.
Intenso, que te transporta pra
outra
vida...pra preencher o vazio
desta.
Há momentos que somos um.
Um misto,um mito.
Umas palavras tentando dar
sentido,
continuidade, motivos e
cumplicidade.

Fast food.

A menina dos pezinhos vermelhos
e o rapaz solitário da livraria.
Sentiram o cheiro um do outro,
se olhavam pouco
e se reconheciam.
Tudo porque não passam de dois
esquisitos.
Um com tatuagem
e o outro com frio na barriga.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Só basta um filme.Só falta um filho...

O que um pouco de cores, movimento e
música
podem fazer com um ser humano?
Você acredita em si?Na mágica?
Por que há dúvida?
Por que a filosofia é vã?
Por que o que move o mundo são as
perguntas?
Por que tudo não é pura
e doce melodia?
Aonde esse jogo vai parar?
Quantos anos você tem?
Quanto dinheiro você tem pra gastar?
Quantas vezes por dia você fala amém?

Memória